Captador eólico de material topo de gama - Velas de membrana modernas são laminadas sob vácuo

Captador eólico de material topo de gama - Velas de membrana modernas são laminadas sob vácuo

Os veleiros modernos captam o vento utilizando velas de alto desempenho, para as quais a geometria, o material e o sentido das fibras são calculados até ao mais ínfimo pormenor. O vácuo é indispensável para ligar as diferentes camadas dos panos topo de gama.
Sailing-1.jpg

Os primeiros polinésios conquistaram o Pacífico com simples canoas. As suas velas eram fabricadas em folhas de pandano entrançadas. Noutras partes do mundo, os velejadores utilizavam tecidos feitos de todas as fibras disponíveis, tais como linho, urtiga, lã, algodão ou seda. Por vezes, a forma como aproveitavam o poder do ar em movimento era pouco eficiente - afinal, os tecidos destas velas tradicionais eram tudo menos à prova de vento. Ficavam também completamente encharcadas com a água e não eram imunes ao bolor e aos parasitas.

As fibras sintéticas mantêm tudo em movimento

Assim, não é de admirar que as fibras e películas sintéticas se tenham estabelecido rapidamente na produção de velas. Para além da aparência nostálgica, os tecidos das velas modernas são superiores, em todos os aspetos, aos tecidos tradicionais. São praticamente imunes ao apodrecimento anteriormente inevitável, são muito mais leves, mas mais estáveis, e, como não têm poros, são impermeáveis e conseguem capturar perfeitamente o vento. 

Esta é outra das razões pelas quais os veleiros atuais são incrivelmente mais rápidos que os antigos. Enquanto costumavam subir e descer os oceanos a menos de dez nós, os barcos na "America's Cup" já atingiram mais de 50 nós (quase 100 quilómetros por hora!). As superfícies da vela, que podem cobrir várias centenas de metros quadrados, são sujeitas a forças correspondentemente elevadas em caso de vento forte. Estas forças seriam demasiado fortes para os tecidos classicamente entrançados - mesmo os feitos de fibras sintéticas modernas. 

Com várias camadas e em três dimensões

A resposta dos fabricantes de velas aos requisitos da navegação moderna é a vela de membrana, também chamada vela laminada ou de filme. As suas fibras altamente estáveis são feitas de materiais de tecnologia de ponta, como poliéster modificado, aramida, carbono ou polietileno. Estas fibras são coladas a uma fina membrana transportadora ou trabalhadas diretamente nesta. São alinhadas para que fiquem primeiramente na direção das cargas elevadas. Podem ser colocadas camadas adicionais noutras direções de arrastamento. Para as grandes velas maxi de veleiros, reúnem-se até 400 camadas. 

As diferentes camadas são dispostas da forma pretendida, exigindo, muitas vezes, um elaborado trabalho manual. Neste processo, as velas recebem também o perfil tridimensional desejado. A ligação entre as camadas é criada pela laminação. Nesta etapa de produção decisiva, o tecido praticamente acabado é envolvido num filme de vácuo e impregnado com resina sintética. O filme é evacuado com uma bomba de vácuo, para que a resina possa penetrar em todos os poros e espalhar-se da melhor forma. A pressão natural do ar assegura, então, uma pressão de contacto uniforme e uma distribuição perfeita do material de ligação. 


A questão pode ser respondida com um número: 2602 metros quadrados (ou 28 010 pés quadrados). Este é o tamanho da maior vela individual nos Sete Mares. É a vela grande do veleiro de um mastro Perseus^3, que foi construído no estaleiro italiano Perini Navi, em 2015. O tecido foi desenvolvido especialmente para este barco, pois, até aí, não havia um tecido que fosse suficientemente estável para tais dimensões. A sua área excede a área total da vela de muitos majestosos barcos de três mastros. O Perseus^3 também tem muito a oferecer neste aspeto, com os seus 10 000 metros quadrados batedores de recordes. Com 75,8 metros, o mastro no qual se pendura o tecido gigante é considerado o terceiro maior no mundo. Isto significa que o veleiro não pode passar pelo Canal do Panamá, e é muito alto para passar sob a Ponte das Américas.
 


Subscreva a newsletter ‘World of Vacuum'!
Subscreva já para se manter atualizado com as mais recentes e fascinantes notícias do mundo do vácuo.

SUBSCREVER