Vista clara do sol - o vácuo permite uma observação precisa

Vista clara do sol - o vácuo permite uma observação precisa

Para estudar a atividade do sol, são necessários telescópios diferentes daqueles que são utilizados para observar o céu noturno. Um desses telescópios é o telescópio a vácuo. O caminho da luz solar capturada permanece inalterado na sua câmara de vácuo.
Vacuum-Tower-Telescope-1.jpg

Quando os astrónomos observam as estrelas com dispositivos óticos, são gratos por cada fotão acidental. Os espelhos cada vez maiores dos telescópios têm o objetivo principal de capturar a maior quantidade possível da pouca luz existente, que viajou por galáxias distantes até nós. Não têm de se preocupar com quaisquer efeitos secundários destes raios fracos.

Mas há uma estrela em particular à qual se aplicam regras diferentes: o sol, que inunda o nosso planeta com radiação de alta energia que faz com que seja possível haver vida neste planeta. Por isso, os astrónomos solares têm de lidar com a superabundância de raios de luz, a partir dos quais têm de filtrar as imagens desejadas através de truques técnicos

Aqui, um dos grandes problemas é o calor. Os raios de luz capturados, focados pelas lentes, trazem consideráveis quantidades de energia consigo. Isto aqueceria o ar num telescópio convencional, o que o faria subir. Uma vez que o índice de refração do ar muda consoante a sua temperatura, o feixe de luz, ao passar, seria defletido pela turbulência dentro do dispositivo. A imagem capturada ficaria desfocada e deixaria de ser informativa.

De forma a impedir este efeito, o telescópio torre de vácuo (VTT) foi desenvolvido para a observação solar. Um destes telescópios é o VTT do Instituto para a Física Solar de Kiepenheuer (localizado em Friburgo) em Tenerife. Uma vez que tem de estar localizado o mais longe possível das camadas turbulentas de ar acima do solo aquecidas pelo sol, está alojado numa torre com 38 metros de altura. De forma a minimizar o movimento no ar ambiente, a torre está pintada de branco brilhante. Isto significa que absorve a menor quantidade possível de radiação térmica.

Dois espelhos giratórios no telhado da torre capturam a luz solar. Estes direcionam a luz para um tubo posicionado na vertical onde o telescópio está localizado. Esta câmara mede 21 metros de comprimento e tem 1,80 metros de diâmetro. No seguimento dos trabalhos de manutenção anuais, a câmara é evacuada a um nível de vácuo inferior a 0,5 milibar de cada vez, utilizando duas bombas de vácuo ligadas em série.

Graças ao comprimento da câmara, o ponto focal do telescópio está em vácuo. A radiação térmica penetrante não pode gerar qualquer turbulência de ar ali, o que impede faixas óticas devido ao calor. Os astrónomos utilizam o VTT, entre outras coisas, para obter imagens detalhadas de manchas solares. A sua atividade tem um efeito direto no campo magnético terrestre. Entre outras coisas, também podem influenciar o funcionamento de dispositivos e equipamentos elétricos.

Além da sua luz, o sol também envia um fluxo constante de partículas carregadas para o espaço. Este "vento solar" confronta incessantemente o campo magnético terrestre e, felizmente, é defletido pelo mesmo. Se assim não fosse, esta tempestade de partículas atingiria a superfície da terra e extinguiria toda a vida existente. No entanto, o vento solar nem sempre é igualmente forte. A sua formação é influenciada pelo campo magnético do sol. As suas oscilações resultam num número particularmente grande de manchas solares que se formam na superfície do sol a cada onze anos. Estas amplificam o vento solar através da emissão de partículas adicionais, que se podem tornar em "tempestades solares". No dia 13 de março de 1989, uma dessas tempestades paralisou a rede de eletricidade da província canadiana do Quebec durante 90 segundos e causou danos avaliados em mais de mil milhões de dólares.


Subscreva a newsletter ‘World of Vacuum'!
Subscreva já para se manter atualizado com as mais recentes e fascinantes notícias do mundo do vácuo.

SUBSCREVER