Entra o ar quente, saem os contaminantes – Descontaminação do solo com um processo a vácuo

Entra o ar quente, saem os contaminantes – Descontaminação do solo com um processo a vácuo

Quando os solos são contaminados por substâncias voláteis, são aplicados diversos métodos de extração durante a descontaminação. As bombas de vácuo da BUSCH permitem que os vapores fluam, para fins de tratamento.
Soil-decontamination-2.jpg

Volatilidade e toxicidade

Há um grupo de substâncias que desempenha um papel especialmente relevante na poluição de solos: os compostos orgânicos voláteis (COVs). Estes incluem, entre outras coisas, a maioria dos derivados do petróleo. Não é situação rara que estes estejam presentes no solo, em resultado de resíduos deixados no passado.

Os COVs são nocivos, alguns até tóxicos. Se estes chegarem às águas subterrâneas, estas ficarão inquinadas. Sendo substâncias voláteis, os COVs emanam para a atmosfera próxima do solo, podendo poluir o ar que respiramos na área envolvente. Os solos poluídos não podem ser usados para a agricultura, nem como terrenos para construção, tendo de ser descontaminados.

Ar do solo e vácuo térmico

A descontaminação pode ser realizada no local através da extração do vapor do solo. Para tal, são abertos poços verticais no solo contaminado, onde depois são inseridos tubos perfurados. Estes são preenchidos com gravilha e os poços são vedados tanto do lado que dá para a superfície como do lado que dá para as águas subterrâneas. Através da criação de vácuo, os vapores de COVs são extraídos das camadas do solo circundante e encaminhados para um sistema de purificação do ar. O efeito do processo também pode ser melhorado: ar quente é forçado a uma elevada sobrepressão para dentro do solo através de tubos e poços adicionais. O calor intensifica a evaporação dos COVs, e a transição de sobrepressão para vácuo origina um fluxo mais vigoroso dos gases do subsolo.

O processo a vácuo térmico pode ser utilizado para solos fortemente contaminados. Neste caso, o solo é removido e transportado para uma instalação de processamento. O material é exposto a temperaturas de até 270 °C e a um vácuo de até 10 mbar. As substâncias voláteis são completamente evaporadas e, em seguida, condensadas e recolhidas. O vácuo não só auxilia a evaporação, como também assegura a descarga segura dos poluentes. Diversos modelos das bombas de vácuo da BUSCH podem ser utilizados para ambos os processos.

Não existe uma definição geral para o grupo de substâncias dos compostos orgânicos voláteis (COVs). Geralmente, compreendem todos os compostos orgânicos com um ponto de ebulição entre cerca de 50 e 260 °C, exceto os pesticidas. Por regra, os carbonatos e os carbonetos metálicos estão explicitamente excluídos, tal como o dióxido de carbono, o monóxido de carbono, o ácido carbónico e o metano. No entanto, os pontos de ebulição destes últimos são consideravelmente inferiores a 50 °C. Em termos de impacto ambiental, os solventes, os hidrocarbonetos halogenados (refrigerantes), os combustíveis à base de petróleo e os lubrificantes têm uma enorme relevância.

A inalação de ar contaminado com COVs pode causar sintomas, tais como dores de cabeça, reações de hipersensibilidade, fadiga, menor desempenho físico, insónias e irritações do trato respiratório. As pessoas particularmente sensíveis a químicos voláteis devido a determinadas doenças correm um maior risco.

O acrónimo português COVs – compostos orgânicos voláteis – tem já um uso consagrado na literatura especializada.


Subscreva a newsletter ‘World of Vacuum'!
Subscreva já para se manter atualizado com as mais recentes e fascinantes notícias do mundo do vácuo.

SUBSCREVER