Alimentação de vácuo centralizada para uma embalagem segura e eficiente

Maulburg, Germany Com nove unidades e um volume de negócios anual de 2,5 mil milhões de euros, a Westfleisch é um dos maiores processadores de carne na Alemanha.
Sistema central de vácuo da Busch na Westfleisch, em Erkenschwick
Sistema central de vácuo da Busch na Westfleisch, em Erkenschwick

Na Westfleisch Erkenschwick, são abatidos semanalmente, em cerca de 135 000 metros quadrados de área de produção, entre 30 000 e 40 000 porcos e processadas de 800 até 900 toneladas de carne, principalmente salsicha crua (Rohwurst), salsicha cozida (Brühwurst) e presunto. A operação avançada é dotada de um sistema central de vácuo da Busch, que garante a alimentação das 30 linhas de embalagem com vácuo em vários edifícios. Para a Westfleisch, esta representa a alimentação de vácuo mais segura e económica.

Fundada em 1928 como uma cooperativa de transformação de gado, a Westfleisch é atualmente um dos maiores comerciantes de carne na Alemanha e na Europa. Mais de 40 por cento da quantidade produzida é exportada para mais de 40 países. Mais de 4000 parceiros de cooperação produzem, no âmbito de contratos, porcos, bovinos e vitelos. A Westfleisch pode, portanto, garantir em particular a origem, a segurança e a qualidade em toda a cadeia de processos. A distribuição ao consumidor final ocorre através do comércio alimentar. A administração central do forte grupo de empresas com cerca de 1900 colaboradores está em Münster, Westfalen, com 9 unidades de produção onde ocorre o abate, a desmancha, o processamento e a transformação. Em Erkenschwick, tinha sido já instalada, em 1990, uma primeira alimentação de vácuo central da Busch. Atualmente, a Westfleisch de Erkenschwick produz com mais de 1000 colaboradores no sistema de trabalho em dois turnos, cinco dias por semana, sendo que, sazonalmente, também se trabalha aos sábados. O terceiro turno destina-se à limpeza da instalação de produção.

Devido à evolução progressiva da capacidade de produção e a consequente expansão das unidades, devido às medidas de reestruturação e devido à divisão espacial estrita ("Zoning") da produção de salsicha crua e salsicha cozida, surgiu mais tarde um segundo sistema central. Em 2013, a Westfleisch decidiu que estas duas alimentações de vácuo, que ocupam um espaço de várias centenas de metros, seriam substituídas por um único novo sistema. O sistema deveria ser instalado num local centralizado, de modo que se pudessem realizar as distâncias mais curtas para todas as linhas de embalagem de todos os edifícios.

Com base nas boas práticas realizadas até ao momento com a empresa Busch na área da tecnologia do vácuo, ou alimentação de vácuo central, e também em outras unidades da Westfleisch, foi selecionada uma central de vácuo da Busch, que preenchesse todos os requisitos.

A Busch concebeu, por isso, o sistema de tal forma que fosse possível realizar o maior número de ciclos possível em todas as 30 linhas de embalagem com máquinas automáticas de termoformagem. Para tal, as câmaras de embalagem são evacuadas em dois níveis, de modo que as diferenças de pressão críticas sejam exploradas e, assim, seja alcançado o tempo de ciclo mais rápido possível. Isto é, uma parte do sistema central de vácuo consiste em sistemas de bombas de vácuo de baixo nível, que pré-evacuam as embalagens a 50 milibares, antes de reduzirem a sobrepressão na câmara de embalagem de dois a três milibares, através de sistemas de bombas de vácuo de alto nível conectadas por válvulas inversoras. Esta não só é a forma mais rápida de atingir a pressão final na embalagem, como também a mais eficiente. A alta rentabilidade é atingida, pois podem ser aplicadas bombas de vácuo rotativas de palhetas R 5 com uma capacidade de aspiração relativamente reduzida para o alcance do vácuo de baixo nível. Nos sistemas de bombas de vácuo de alto nível, trabalham aceleradores de vácuo Panda com frequência controlada como bombas auxiliares, que são conectadas logo após o alcance do vácuo de baixo nível.

Um sistema de bomba de vácuo de termoformagem alimenta, com os seus módulos de vácuo individuais, as estações formadoras nas máquinas automáticas de termoformagem com um vácuo de 160 milibares. Este vácuo serve para aspirar a película inferior da embalagem no molde e, assim, formar a bandeja (Tray) da embalagem.

O sistema central de vácuo foi concebido pela Busch de forma a ser ampliável, de modo que este possa crescer consoante o aumento da capacidade de produção. Tal aumento era já necessário desde o início de 2015.

Desde o início de 2015, o sistema central de vácuo evoluído consiste num total de 18 bombas de vácuo de palhetas rotativas e aceleradores de vácuo. Isto corresponde ao número exato de bombas de vácuo que estavam instaladas em ambos os sistemas centrais de vácuo antes de 2013. Contudo, estavam conectadas apenas 13 máquinas de embalagem, enquanto que hoje estão alimentadas com vácuo 30 máquinas de embalagem.

Isto significa que a agregação dos que eram antigamente dois sistemas centrais de vácuo numa nova alimentação de vácuo central produziu uma poupança de energia de 56 por cento. O comando do sistema central de vácuo está programado de modo que os módulos de vácuo individuais sejam conectados ou desconectados de acordo com as necessidades.

As distâncias entre as linhas de embalagem individuais e o sistema central de vácuo ascendem até 400 metros. No total, a rede de tubagens PVC da Westfleisch em Erkenschwick abrange 1300 metros para a alimentação de vácuo de termoformagem.

Os responsáveis da Westfleisch mostram-se orgulhosos após sete meses de operação com a alimentação de vácuo evoluída e estão seguros de que foi tomada a decisão certa.

Para a decisão da Busch, foi importante para a Westfleisch - para além da poupança de energia - que tudo tenha sido oferecido a partir de uma única fonte. A conceção completa, a configuração, a construção, a instalação e o arranque do sistema de vácuo, incluindo as tubagens, são da responsabilidade dos especialistas de vácuo da Busch. A Busch ofereceu também um contrato bilateral "Tudo incluído" ("All-Inclusive"). Isto significa que a Busch assume toda a garantia do sistema, executa todos os trabalhos de manutenção e elimina de imediato qualquer avaria que possa surgir.

Os trabalhos de manutenção podem ser executados por técnicos da Busch durante a operação normal. Para tal, módulos de vácuo individuais são separados da rede de vácuo e novamente conectados após a manutenção. Consequentemente, o técnico de assistência não tem de aceder a nenhuma sala de produção - uma importante condição de higiene na produção de géneros alimentícios. Outro benefício da centralização é o facto de não existirem emissões de calor através das bombas de vácuo diretamente para a produção refrigerada ou as salas de embalagem. Deste modo, é possível realizar significantes poupanças de energia na climatização das salas.


Categorias
Deseja saber mais?
Entre diretamente em contacto connosco (Busch Portugal):
+351 234 64 80 70 Entre em contacto